Divulgação

A Câmara dos Deputados concluiu na noite de terça-feira, 11, a aprovação do projeto que viabiliza a privatização de seis distribuidoras de energia controladas pela Eletrobras com a votação dos destaques à matéria, que agora será enviada ao Senado.Entre as distribuidoras está a Ceal, em Alagoas.

Após a aprovação do texto-base na semana passada, deputados aprovaram uma emenda para conceder gratuidade da tarifa de energia elétrica a famílias de baixa renda e outra que torna sem ônus para o consumidor a extensão do fornecimento em áreas remotas distantes das redes de distribuição, informou a Agência Câmara Notícias.

O projeto de lei realiza alterações legislativas que equacionam débitos das distribuidoras da Eletrobras com fundos do setor elétrico, o que é visto como essencial para viabilizar o interesse de investidores pelas empresas, principalmente para as que atuam no Norte.

PUBLICIDADE

As seis distribuidoras que serão colocadas à venda são Amazonas Energia, Centrais Elétricas de Rondônia (Ceron), Companhia de Eletricidade do Acre (Eletroacre), Companhia Energética de Alagoas (Ceal), Companhia de Energia do Piauí (Cepisa), e Boa Vista Energia, que atende Roraima.

Depois da conclusão da votação da matéria, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), anunciou que o projeto de privatização da Eletrobras não será votado neste ano.

“O acordo quanto a não votação do projeto da Eletrobras está garantido, nós não votaremos neste ano”, disse Maia no plenário da Casa, de acordo com a agência.

Segundo Maia, as negociações sobre o adiamento da privatização da Eletrobras se iniciaram na semana passada, quando os líderes se comprometeram a deixar o tema para depois das eleições.

O acordo final prevê que o texto só será votado na próxima legislatura, quando tomarão posse os deputados eleitos em outubro. O projeto está atualmente em tramitação em uma comissão especial.

com NOVO EXTRA

Deixe seu comentário

Os comentários postados sobre esta matéria são de inteira responsabilidade de seus idealizadores, não representando em nenhuma instância a opinião do site Via Alagoas ou de seus colaboradores e parceiros.