Menino foi agredido por instrumento contundente; perícia descartou violência sexual

Crédito: Márcio Ferreira

A chefia de perícias em mortos do Instituto de Medicina Legal Estácio de Lima concluiu, na manhã desta terça-feira (06), o exame cadavérico no corpo da criança identificada pelas iniciais D. M. da S., oriunda do município de Rio Largo. A causa da morte foi hemorragia interna aguda, por ação de instrumento contundente, por meio cruel, em uma vítima sem condições de defesa.

O menor D.M. da S., deu entrada em estado grave no Hospital Ib Gatto Falcão em Rio Largo, supostamente vítima de uma queda da própria altura.

Após receber atendimento, a criança não resistiu aos ferimentos e entrou em óbito, sendo seu corpo recolhido ao IML da Capital, por se tratar de uma morte suspeita de agressão física e sexual.

PUBLICIDADE

De acordo com a perita médica legista Magda Palmeira, responsável pelo exame de necropsia, a criança, de apenas 02 anos e 10 meses de idade, foi vítima de violência física. O corpo apresentava hematomas no mediastino, hemotórax, lesão contusa no pulmão direito, e equimose extensa no pulmão esquerdo.

Entre os vários ferimentos identificados durante a inspeção externa e interna, o laudo aponta, ainda, uma grave lesão extensa de pâncreas, a qual partiu o órgão ao meio. Também foi diagnosticado uma lesão extensa em quatro regiões da face ventral do fígado, e hematoma no hilo renal direito.

O exame evidenciou ausência de lesões na cavidade craniana e descartou o abuso sexual. O laudo completo com todas informações será encaminhada para a delegacia distrital, a qual será responsável por apurar as causas das graves lesões, incompatíveis com uma queda, e que levaram a criança a morte.

com GAZETAWEB